sábado, 31 de julho de 2010

Como papel .


Sempre tive medo . Uma medo constante , que me consome . Ele é muito forte , e uso todos os meus artifícios para tentar combate-lo . Ele mina minhas forças , se alimenta de minha coragem , rouba minha confiança . Talvez seja algo normal , e eu ainda só não aprendi com lidar . Ou quem sabe não , eu seja realmente muito fraca , a ponto de baixar a cabeça , e desistir de tudo .
Quero passar a ver lembranças antigas como fotos , assim , eu posso guardá-las em uma caixa , muito bem fechada , e procurá-las somente quando eu quiser . Ter o dom de rir de maneira realmente espontânea do que passou , antes mesmo das lágrimas presas em minha garganta virem á tona . Sou um ser fraco , que ainda não consegue nem mesmo tomar decisões sozinha , e que dirá escolher o que é bom ou ruim pra mim .
Não me dou muito bem com aquilo que é novo . Demoro muito tempo para conseguir me acostumar com as coisas , o que é bastante contraditório , uma vez que sou totalmente impaciente . Procuro passar a ideia de alguém realmente relevante , tentando ajudar as pessoas , a se levantarem , a se manterem de pé . Queria encontrar algum modo , de usar isso em mim . Para me manter forte , viva , e quem sabe um pouco feliz . Não só por mim , mas também por outros , que de certa maneira me usam como base . E não , eu não quero gerar uma decepção , assim , tão grande . Me vejo como uma pálida folha de papel . Frágil , maleável , e com marcas profundas , dificeis de apagar , ou impossíveis .

sábado, 17 de julho de 2010

Um , dois ou três .


Números . Ah , proporcionam sim uma felicidade momentânea , trazendo uma certa segurança , confiança . Sentir-se capaz de realizar tudo , criar força , coragem . Claro, poderia ser mais fácil . Viver em meio a tanta gente , e perceber que pode estar sozinho , é complicado . Pessoas tão frias , que mudam em questão de segundos . A água vira vinho , e o sonho pesadelo . Se deparar com a solidão de uma hora para a outra , é difícil . Mais complicado ainda , é perceber que talvez precise aprender a conviver com ela . De repente todo aquele amor , carinho , admiração , desaparece . Ou talvez , eles realmente nunca estiveram perto de você . Máscaras . Existem tantas , e tenho que admitir , são bastante convincentes , algumas são capazes de te fazer , sentir bem ! Talvez fosse fácil , se elas nunca caíssem . Quem sabe , as pessoas após algum tempo , aprendessem a conviver uma com as outras . Se elas fossem permanentes , talvez conseguíriamos ignorá-las . Seria preciso paciência , muita paciência .
Enxergar os verdadeiros rostos das pessoas , a verdadeira face delas , não é tarefa fácil . Envolve enganos , preconceitos , desilusões . Talvez seja por isso que a verdadeira amizade encontra cada vez mais obstáculos para crescer , e surgir de uma maneira realmente pura . Não digo impossível , até porque algumas começam de muitas maneiras diferentes , e ainda existem pessoas suficientemente fortes , que a fazem crescer . Ou quem sabe , buscam força uma na outra .
Sinceramente , prefiro uma , duas , três , quatro companhias constantes , do que dezenas de provisórias , temporárias . Números ultimamente so me tem gerado tristeza , porque a alegria passageira que me proporcionam , não é mais suficiente . minha parte egoísta , que me recuso a mudar . Acostumar-se , valorizar , fortificar o pouco , pode ser muito , e para mim , é tudo .

sábado, 10 de julho de 2010

Fragilidade


Nasce como uma planta simples , em meio á muitas outras que tem mais valor . Frágil a ponto de se despedaçar , desaparecer , com um simples sopro frio que o desmancha totalmente . Durante sua vida , se perde em meio outras flores radiantes , cheias de cores e exuberância , crescem e se destacam , e quase ofuscam o brilho do sol , com suas enormes pétalas , que mais parecem roubar a energia vinda dele . Continua lá , com o pouco verde de seu caule , e uma cor extremamente pálida e sem vida . Tem um aspecto doente , talvez por não possuir raízes fortes e longas , e com isso , não atinge muito o interior da terra , onde está a água e todos os nutrientes que lhe trazem a vida .
Após algum tempo , as outras plantas , são colhidas , levadas para longe , a uma floricultura , quem sabe . Algumas outras são roubadas , mas tem o mesmo final : serão entregues , servirão como presente . Ninguém certamente , comprará uma planta tão minúscula como ele , para presentear alguém . Rosas , margaridas , orquídeas , violetas , girassóis , crisântemos . Todas têm sua beleza , seu perfume e a admiração de muitos , mas no fim de suas vidas , se tornam secas e opacas como todas . Morrem sem deixar praticamente nada . Dentes-de-leão são leves , e o vento carrega suas sementes para longe , muito longe .

Algo tão frágil , fraco , indiferente , semeia a vida . E em qualquer espaço , ele se firma , para recomeçar novamente o ciclo de sua curta existência , mesmo sabendo que no fim , não será reconhecido , nem muito menos lembrado . Mas se parar para pensar , vai estar em muitos lugares diferentes , mesmo que ofuscado por toda a beleza exposta que o cerca , esperando alguém que lhe reconheça , e pare para admirá-lo , em um enorme campo , quando estiver reunido com muitos outros semelhantes . Ou se tiver sorte , isolado , para fazer a alegria de alguma pessoa , que se admira com a sua capacidade de flutuar sem rumo no ar , como se ignorasse as leis da gravidade , ou algo do tipo . Ele é livre , conta com uma liberdade que nenhuma outra planta fixa ao solo um dia terá o prazer de conhecer , obter .

quinta-feira, 1 de julho de 2010

Vestígios


Ela queria um dia poder dizer , tudo aquilo que ele não ouviu . Esclarecer toda a verdade . Citar as vezes que por ele chorou de saudade . Por todos os momentos , onde tudo o que mais queria era um abraço , mas ele não se importou em tornar isso possível . Das vezes que sofreu calada , com receio de atrapalhar sua felicidade . Das vezes que segurou uma lágrima , somente para poder admirar um pouco mais sorriso dele . Dos dias que 'perdeu' só idealizando momentos únicos , onde só o rapaz estava ao seu lado .
Queria fazê-lo sentir , toda a angústia que guardou no peito , quando ele simplesmente sumiu . Das vezes que poderia ter tornado tudo tão mais fácil , tão simples . Dos momentos que preferiu desaparecer , com a mísera esperança de que um dia ainda a procuraria . Das noites que chorou incontrolávelmente , imaginando as piores coisas possíveis , as mais temíveis situações em que ele poderia se encontrar . Das vezes que ela ouviu muito , só para no final do dia , escutar dele um eu te amo , que ultimamente parecia tão clichê . Ela esperou horas e horas para reconhecer , mesmo que por poucos instantes , a voz mais linda do mundo . Queria que ela levasse em conta todo o sofrimento que havia vivido , como se mendigasse um pouquinho só de felicidade .
Ela ficou contra muitos , que a diziam coisas aparentemente reais a respeito dele . Ignorou opiniões , conselhos . Abriu mão de muito , ou quem sabe tudo . Perdeu um pouco da sua essência , e só muito tempo depois conseguiu recuperá-la . Ela ainda tinha no fundo de seu coração , migalhas de esperanças que se dissolviam diante da constante ausência do menino . Ela se prejudicou muito , e só depois se arrependeu . Era um encantamento , pena que o antídoto demorou um pouco para surgir . Agora ela havia aprendido a dar a volta por cima . Cicatrizava lentamente as feridas aparentemente incuráveis do seu coração .

- do meu baú . 12/03/09