sábado, 12 de fevereiro de 2011

Here, now.


E no meio de muitos, lá estava ele. Vestia a roupa do colégio, perfeitamente ajustada em seu corpo. O tom escuro e sombrio das cores, e símbolos pela roupa espalhados, poderiam caracterizar mais uma camiseta comum, mas tudo aquilo lhe caia tão bem. Criava um contraste com sua pele clara e uniforme, que mais parecia uma seda recém tecida. Seus traços eram profundos e sinuosos, abriam espaço para seus olhos negros que mais pareciam fixar o além. Talvez por medo, timidez, insegurança, ou quem sabe eles apenas não haviam encontrado aquilo que realmente procuravam? Sua boca. Seus lábios inferiores eram carnudos, e por distração ou tensão, eram constantemente mordidos. Seu sorriso me iluminava, e soltava sem esforço algum, as borboletas que eu tentava controlar em meu estômago.
Era minha rotina, acordar de um sonho onde eu sentia seu calor, e encontrar a versão real de você, que ultimamente se mantia afastada de mim. Você me deu motivos, e a cada olhar eu podia ler que você não estava bem. Isso me atingia, me quebrava. Seria bem menos complicado te abraçar, ouvir teu coração mais uma vez e ficar ao teu lado enquanto as lágrimas escorriam pelo seu rosto. Te ter perto de mim, servir como ponto de apoio, referência, me fazia bem. Era um dos meus melhores momentos, até porque enquanto ouvia a dor de suas palavras, eu não precisava usar minha melhor máscara e esconder as minhas. É mórbido, eu sei, mas são os últimos momentos que tenho em minha mente desde que você .... desde a última vez em que eu pude ouvir suas melhores palavras.
Eu poderia te comparar com o ar que me mantém firme, mas hoje eu já não sei. Eu estou viva, certo? Errado. Você foi um dos poucos que ainda não enxergou minha tristeza constante, meus olhos que mais se assemelham com um espelho, que apenas reflete aquilo que se põe em minha frente. Embaçado, sem brilho, sem rumo. Na realidade, acho que você já percebeu, mas provavelmente, o medo de já imaginar o motivo esteja te consumindo.
Você está tão perdido quanto eu , meu querido. Os ventos sopraram para o sul e para o norte, e se continuarmos caminhando, procurando, ainda nos encontraremos, e eu espero ansiosamente por isso, meu anjo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário