quarta-feira, 29 de junho de 2011

When you need say all the things that you yet know.


Serei direta, sem rodeios. Ainda questiono se devia dizer tudo isso, ou quem sabe continuar me afligindo, afinal, falo sobre algo bom. Te nomeei meu melhor amigo, mas talvez só agora eu realmente saiba o efeito que você tem sobre mim, e o quanto sua amizade é importante. Cada palavra de auxílio nos meus piores e melhores instantes, todos os desentendimentos banais, toda a cobrança, todos os sorrisos, e cada abraço me faz ter certeza disso.
Smile, i'm here.
Não espero te ver com uma absurda perfeição, ou algo parecido com isso. Quero na verdade contar sempre com cada imprevisto ou 'defeitinho' que te molda e me faz ser uma pessoa melhor. Sua alegria é contagiante, por mais que inúmeras vezes eu não consiga demonstrar isso.
Sou incapaz de omitir, mentir ou esconder alguma coisa de você, até porque você me conhece melhor que eu mesma, e isso fica óbvio toda vez que paro pra pensar nisso tudo. O problema aparece em alguns momentos, infelizmente, pois eu ainda carrego comigo uma parte um tanto egoísta que insiste em aparecer. Por você sinto um ciúmes passageiro, uma raiva momentânea mas um amor permanente, e peço-lhe uma coisa: acredite sempre nisso.
Vou sentir saudades, é certeiro. Ainda que o tempo seja desonesto e te afaste por um longo tempo, a certeza de que eu fiz o melhor que pude, mas não tão bem quanto você, me acalmará.
Antes de você pensar em me pedir desculpas, eu já tô te perdoando.
Não me arrependo daquilo feito, nem do que ainda temos, viveremos e honestamente, guardaremos. Ainda que aparente o oposto, eu me sinto feliz com sua presença, demonstrar tal sentimento se torna complicado algumas vezes, porém. E eu odeio o fato de te ver de certa maneira sofrendo por conta disso. Você é e sempre será pra mim uma das peças mais importantes de todo esse jogo, pois além de base, é no seu abraço que eu encontro e reponho toda a força que mina involuntariamente de meu corpo todos os dias.
Não desista de mim, e não me deixe sequer pensar em fazer o mesmo, será a pior coisa do mundo ver que eu posso ter ou estar estragando tudo.
Por mais que o futuro seja incerto e me assuste eu preciso lhe dizer, reafirmar e consolidar o que na verdade eu sempre soube: Eu te amo.

terça-feira, 21 de junho de 2011

Down


Eu estou aprendendo a me acostumar com a dor, até porque é assim mesmo, dói, machuca, corta, mas depois passa. Sempre passa. Por mais que no momento você prefira morrer por uma amor, por uma perda, por uma surpresa inesperada, por um erro e por perder um acerto, passa. Tudo na sua vida é passageiro, até ela mesma. Você pode simplificar , mas a dor é de certa forma, irresistível. Posso até compará-la como uma confirmação ou certeza de que você está apostando algo verdadeiro, ainda que duvidoso. Viver dói. Muitas não tão simples quanto pontadas de agulha ariscas que quase não lhe tocam, surgem muitas vezes como cortes causadores de eternas cicatrizes. Essa até podem ser eternas, mas a dor não. Eu mesma não acreditava nisso, mas minha angústia (fiel companheira daquilo que me machuca) diminui a cada linha desse desabafo. Sortuda não sou a ponto de igualar todas as minhas dores a esta última.
Assim como todo vilão de contos de fadas, nossa personagem tem concerto, um antídoto, quem sabe até mais perigoso que a ovelha negra. Isso porque ele é totalmente manipulador a ponto de lhe fazer cometer absurdos incoerentes e surreais. É como uma droga, mas ainda mais forte pois te alimenta. Ah amor ...
Você não viverá eternamente feliz com ambos, mas estes serão as fontes das mais diversas e flexíveis sensações de toda a sua vida. Você sente dor por amor, o amor lhe causa dor, a dor procura o amor para se acalmar, o amor apaga a dor mas este tem o poder de torná-la ainda mais intensa. E o ciclo continua.
Suas memórias estão lotadas, cheias de pontinhos talvez um pouco mais insignificantes agora por conta desses dois. É fácil ignorar que ambos são entrelaçados e interdependentes, impossível mesmo é realmente sentir sem contar com a presença destes.
Se distrair, procurar amigos ou quem sabe o que restou deles, sombras são até confortáveis.
Acaba como um sorvete no verão, um dente-de-leão ao vento, uma brisa fria em um fim de tarde.
Eles passam, voltam, e é melhor se preparar para isso a cada estação, minha querida.

fandom: Antônio Prata.

domingo, 5 de junho de 2011

Arisco


Faz parte de meus prefácios, de meus sonhos e de possibilidades. Aparece nas horas incertas ou tímidas com uma presença inquestionável. Torna meus segundos mais rápidos, se comparados aos outros tão ásperos. Existe em ti uma paz absurda que se pudesse buscaria todas as noites, tentando sugá-la ao máximo em cada toque. É como se sua essência se misturasse a minha, criando um âmago que mais ninguém conhece além de nós. A origem de tudo isso me surpreende a todo momento, e por instantes faz com que o final se distancie, desapareça. Me fortalece, me sustenta e me exalta, porém inúmeras vezes desaparece de maneira tão fugaz. Me envolve, te encontro, me transforma, te entendo, me leva, te busco, me fala, te ouço, te sinto, me vejo. Quem me dera um dia criar os versos e formar com minhas palavras, meus sentimentos, o nosso epílogo. Não seria comum, como era de se esperar, mas anseio por algo surpreendente. Gosto de baunilha, cheiro de almíscar, textura de algodão e têmpera de café.
Impossível seria mencionar ou explicar o que eu era, aquilo que serei e no que me tornarei sem tua presença, um ser com menos luz e calor eu imagino. Mas com motivos para encontrar forças e permanecer imaginando e esperando sua volta.
Escolheu por entre as pétalas aquela única que lhe traria o bem, e por incrível que pareça as restantes ainda pareceram algumas vezes. Brisas quentes tocam seu rosto quando ele por perto se encontra, e dão lugar a um sopro gélido assim que se afasta. Dependente e involuntária ela caminha por entre trilhas confusas, guiada por um coração forte e gigante, deixando-a envolta sempre que preciso.