domingo, 5 de junho de 2011

Arisco


Faz parte de meus prefácios, de meus sonhos e de possibilidades. Aparece nas horas incertas ou tímidas com uma presença inquestionável. Torna meus segundos mais rápidos, se comparados aos outros tão ásperos. Existe em ti uma paz absurda que se pudesse buscaria todas as noites, tentando sugá-la ao máximo em cada toque. É como se sua essência se misturasse a minha, criando um âmago que mais ninguém conhece além de nós. A origem de tudo isso me surpreende a todo momento, e por instantes faz com que o final se distancie, desapareça. Me fortalece, me sustenta e me exalta, porém inúmeras vezes desaparece de maneira tão fugaz. Me envolve, te encontro, me transforma, te entendo, me leva, te busco, me fala, te ouço, te sinto, me vejo. Quem me dera um dia criar os versos e formar com minhas palavras, meus sentimentos, o nosso epílogo. Não seria comum, como era de se esperar, mas anseio por algo surpreendente. Gosto de baunilha, cheiro de almíscar, textura de algodão e têmpera de café.
Impossível seria mencionar ou explicar o que eu era, aquilo que serei e no que me tornarei sem tua presença, um ser com menos luz e calor eu imagino. Mas com motivos para encontrar forças e permanecer imaginando e esperando sua volta.
Escolheu por entre as pétalas aquela única que lhe traria o bem, e por incrível que pareça as restantes ainda pareceram algumas vezes. Brisas quentes tocam seu rosto quando ele por perto se encontra, e dão lugar a um sopro gélido assim que se afasta. Dependente e involuntária ela caminha por entre trilhas confusas, guiada por um coração forte e gigante, deixando-a envolta sempre que preciso.

Nenhum comentário:

Postar um comentário