domingo, 18 de setembro de 2011

Contida


''As pessoas boas passam por coisas ruins pois conseguem superá-las'' O que seria uma pessoa boa pra você? Aquela que ouve calada a dor dos mais próximos e guarda consigo respostas que jamais serão ditas? Ou quem sabe aquele que consegue resolver primeiramente o que aflige seu próprio coração, e como consequência, contagia aqueles que lhe cercam? É confuso achar uma definição para tal tipo de 'caráter', talvez ele não exista.
Alguns querem te ver bem, e você chega a fingir tal estado de espírito. É algo bom, mas gera angústia e esta é satisfatória até o momento que consegue ser evitada, presa, escondida.
Coisas ruins. Eu as caracterizo de inúmeras formas, e a encontro toda vez que me dou conta de que não terei mais seu abraço todos os dias, aliás, eu não tenho. É ainda pior quando percebo o poder da distância, aparentemente vencida. Grande equívoco. Ela cresce e a saudade é seu adubo, é uma pena tê-lo em grande quantidade. Não se pode contar mais com sorrisos, votos sinceros de felicidade, vontade de continuar pulsando, motivos pra isso. Seria tão mais fácil se você não existisse, sumir sempre deixa vestígios, e ah, como machucam.
Todas as coisas que te causam pânico resolvem aparecer de uma só vez, você não está preparada pra isso. Não há tempo para mudar essa situação, tudo acaba se tornando tão perigoso, as linhas estão se esgotando, e as palavras não deixam de aparecer. Falar de amor se torna um desafio, admitir senti-lo é ainda pior. Aceitar que uma pessoa é responsável por manipular toda a sua vida, suas alegrias e sentimentos e ainda assim  vê-la fazendo o mesmo numa maior distância, te destroi.
Estás sozinha, pequena.

Nenhum comentário:

Postar um comentário