quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Antídoto


Não encontrei até hoje solução mais eficaz para tantos problemas. Cura corações partidos, noites mal dormidas, alguns tipos de depressão, angústia, saudade, medo, desconforto. Não existe medida ou dose certas, e pode ser encontrado em diversos locais. Um abraço cura quase tudo.
Tímidos ou desesperados, fortes ou fracos, certeiros ou incertos, eles te fazem bem. É um momento único, no qual você se coloca no corpo do outro, usando-o como seu apoio, sua base, seus cais.
Ouve-se o ritmo, sente-se o cheiro, reconhece-se o calor.
Se frios estás, basta um toque para se derreter. Se quebrado se encontra, não é difícil se remontar em poucos segundos. Se perdido estás, o caminho de volta é facilmente descoberto.
Eu realmente não sei o que vai ser de mim sem essa dose - antes diária - de bem estar, aliás, eu imagino. As pessoas por enquanto estranham esse meu estado de espírito, mas com o tempo se acostumarão. Não consigo disfarçar algo tão evidente, essa saudade absurda de algo que nunca foi inteiramente meu, e se foi, não continuará dessa maneira por muito tempo, e nós sabemos disso.
Preciso de um estoque de carinho, uma reserva de ânimo. Não encontrei até hoje sensação mais estonteante do que aquela que sinto quando meu coração se encontra com o teu.
-

domingo, 20 de novembro de 2011

Tão nosso





Percebo dentro de você uma frieza questionável, que de certa forma, fez teu coração mudar de ritmo. Talvez mais sereno, mais cansado, mais sensível. Posso afirmar que aconteceu exatamente o mesmo comigo. Aceitar mudanças não é nada fácil, mas com você é diferente. Mudamos pra crescermos, sair dessa casca que no fundo sabemos que não é indestrutível, e é exatamente esse o ponto. Nos quebramos e nos reconstruímos, sempre. Contamos com um abraço para fazê-lo e isso já é o suficiente.
Outras pessoas aparecem, te envolvem, te mudam e te consomem. No final, existe sempre aquele vazio oportuno, moldado para mim, para você, que jamais poderá ser preenchido por outra pessoa, sensação ou sentimento. Você sabe, eu sei. Você confia, e eu também. O tempo brinca, desgasta, machuca, mas não afasta. Gera sim muitas lágrimas, crises ou um simples desconforto. És mais forte que eu, mas admite sentir o mesmo de vez em quando.
Você me mudou, sabes disso. Meu singular já não se mostra presente desde os dois últimos verões , e á não sinto falta disso. O que me move hoje é saber que estás por mim, da mesma forma que estou por você, presente em cada detalhe, crescendo a cada pulsar.

Dois corações que formam um, um que vale por dois, dois que podem formar três, três que não conseguem continuar sem nenhum.

-


segunda-feira, 7 de novembro de 2011

18° letra


Ainda que parta, continuará nas poucas músicas que ainda me remetem tua imagem. Nas risadas toscas sobre um fim de semana tumultuado. Nas discussões sobre a veracidade dos fatos e do interesse alheio de pessoas desconhecidas sobre sua vida. Nas lembranças de um outono feliz onde a maior distância se tornou motivo para saudade. Saudade que talvez não exista mais, em uma das partes. Permanecerá na cereja do sorvete, nos abraços quase diários. No cheiro de almíscar e no conforto das palavras, Nas orações, nos pedidos, nos prefácios.
Se antes buscava artifícios para lembrar, hoje me esforço para esquecer. Esquecer todas as lágrimas derramadas em vão, todos os argumentos fracos e sem fundamentos. Deixar se perder na memória todo o esforço renegado e o coração aflito que hoje insiste em não esperar nenhuma surpresa. Não se esforçar mais para procurar saber a verdade ou uma explicação de um parente abandono.
Mentiria se dissesse que me arrependo, sofro ou me machuco. Feliz ou infelizmente estou conseguindo conjugar tais verbos no passado. Não se pode planejar um futuro se baseando em resquícios de dores já passadas, entretanto, não cabe só a mim relevá-las.
Cumprirei minhas promessas até quando conseguir, e garanto-lhe que terão uma maior validade se comparadas às suas. Não direi adeus a uma parte de mim, mas poderei ser obrigada a deixá-la um pouco mais escondida e menos influente, por mais penoso que seja.
-