sábado, 9 de junho de 2012

Ponto e vírgula






Perdi o sono e o senso no meio da noite. Acho que só agora estou despertando-me, acordando pra vida. Comecei a pensar em todas as oportunidades de falar que deixei fugir, e como desperdiciei silêncios oportunos. Já foi, já era. Pra começar, quero tomar um novo rumo, seguir novos caminhos. Não direi que vou partir do ponto zero em direção ao sol, até porque ele pode estar ao meu lado, brilhante o suficiente para ofuscar minha visão. Já não sei se gosto do sol ou prefiro a luz singela da lua.

  Tô afim de tirar a poeira dos sapatos, dos cabelos, do coração. Preciso mais do que nunca esquecer o que até agora tem sido vital pra mim, porque sinceramente, continuar sozinha pode me  atrasar, consumir e até mesmo, destruir. Vais dizer de alguma maneira que ainda sente algo, que acredita. Mentiria se dissesse que não penso o mesmo, mas o tempo tá me mostrando alguns erros e me dando a chance de consertá-los. 
 Seria sim mais gratificante ou até mesmo mágico escrever essa parte da minha história com o seu auxílio, mesmo que de vez em quanto. Posso algo fazer se de uma hora pra outra me cansei de ser mocinha? O lado bom de sair fora do script é perceber que no final todos sofrem, mas as vilãs se divertem por algum tempo, e isso é fato consumado. 
Então vamos lá, as cortinas vão subir e o show tem que continuar, se não em forma de drama/romance, uma aventura também pode ser interessante.

Nenhum comentário:

Postar um comentário