quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Um estranho familiar




Seu olhar é frio,
tímido
escuro
vazio.

Sua pele me chama,
e a minha corresponde.
Meu corpo por ti, clama.
Mas você sempre se esconde.

Seu sorriso é incandescente
ilumina tudo que existe ao teu redor.
Por quê há de ser assim, tão diferente?
Me sentir desse jeito talvez não seja o melhor.

Quero poder colocar minhas mãos nas tuas,
enlaçar meus dedos  aos seus.
Descobrir suas verdades, ainda que nuas e cruas,
Poder encontrar meu próprio eu,
no seu.

Encantamento talvez seja, 
ou um desejo primitivo.
Dê o próximo passo, 
olhe-me de um modo mais sereno.
Mas acalme, por favor
esse meu coração pequeno.

quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

Choice


  Ouvi repetidas vezes algumas pessoas dizerem que estão 'no seu momento.' Achei, no mínimo intrigante visto que os donos das frases possuíam diversas idades. Me pergunto: o que exatamente é esse momento? Para uma criança pode ser a conquista de um brinquedo novo, depois daquela euforia danada acompanhada de longa espera pelo papai noel pontual e justo. Para um pré-adolescente pode ser o primeiro beijo, o primeiro show, um fim de semana na casa de amigos. Para um adolescente -propriamente dito- pode ser a aprovação no vestibular, a conclusão do ensino médio. Os adultos podem dedicá-lo ao primeiro emprego, à satisfação conquistada pelo mesmo. Já na melhor idade, na segunda infância, ou na vida de um idoso (como preferir) pode ser aquele instante eterno de dever cumprido, de missão acabada.
   Mesmo depois de citar inúmeros exemplos me vi um pouco mais perdida e quem sabe até mesmo vazia. Tenho ainda prazeres simples e ingênuos como uma criança após tomar um sorvete. Guardo comigo o gosto não do primeiro beijo, mas do segundo, por ser mais marcante que os anteriores -e provavelmente os próximos. Tenho 17 anos, não concluí o ensino médio, mas já consegui aprovação em um vestibular. Não consigo pensar em como será minha vida depois do término desse ano e imaginar o início do próximo me dá mais medo. Preocupação comum a adultos. Insegurança de uma criança. 
 Não creio que esses fantasmas da incerteza assombrem apenas à mim, mas esse 'mix' de sensações  é o que me move e me conduz a um caminho sinuoso e, de certa forma, me atrai de uma maneira inexplicável. 
   É irônico ser referência para alguns, e perceber o quão longe do princípio estou, ainda que me sinta cada vez mais próxima do fim.  Será que estou me aproximando do 'meu momento'?